Super FOG vs. Sonic Mania

Introdução: Há um ano atrás, quando esse jogo foi revelado, eu não sabia exatamente quais reações manifestar primeiro, nostalgia, euforia, um maremoto de expectaticas, algo que ninguém estava esperando surgindo em meio as comemorações do 25º aniversário da franquia Sonic The Hedgehog (onde também foi anunciado Sonic Forces) e que rapidamente se tornou o meu jogo mais esperado de 2017 e o que me prontificou a comprar um PS4 só para estar pronto para essa ocasião (porque eu gosto de consoles). Cada momento mágico, que só quem é fã de Sonic das antigas vai experimentar à cada estágio completado, os milhares de referências do passado da Sega espalhados por todos os cantos… Eu já estava com a fé muito forte nesse jogo, e quando eu finalmente o joguei por 8 horas ininterruptas no dia do seu lançamento eu posso vir aqui e concluir que Sonic Mania é o meu GOTY de 2017!! Melhor que BotW, melhor que NieR e até melhor que Super Mario Odyssey que só lança em outubro, hahahahahahahahah. Continuar a ler

Anúncios

Super FOG Vs. Sonic CD

Introdução: Sonic CD foi, durante muito tempo, um dos Sonics mais obscuros da era clássica. Enquanto Sonic 2 era desenvolvido nos Estados Unidos por um time liderado por Yuji Naka, Sonic CD era criado em paralelo no Japão sob a liderança de Naoto Oshima, mas o que fez esse jogo de 1993 tão obscuro na época foi o seu lançamento original para o fracassado Sega CD, o primeiro de muitos add-ons que o Mega Drive receberia até o fim de sua vida útil em 1996, e seriam igualmente fracassados. Posteriormente, Sonic CD recebeu relançamentos até para PC ainda nos anos 90, em 2005 fez parte da coletânea Sonic Gems Collection, mas foi em 2011 que ele foi de fato salvo da irrelevância por Christian Whitehead, o programador australiano que fazia seu nome no fandom de Sonic com os seus fangames resolveu apresentar sua Retro Engine para a Sega, que permitia refazer o jogo totalmente do zero e portá-lo para smartphones com a adição de suporte widescreen, frame rate mais suave e sólida e ajustes na gameplay. Inclusive, é nessa versão que esta análise será baseada, porque obtê-la é ridiculamente fácil hoje em dia. Continuar a ler

Super FOG Vs. Sonic The Hedgehog 2

Primeiramente, Sonic Mania já foi lançado, estão se divertindo com o jogo? 🙂 Aguardem pelas minhas impressões no final dessa maratona.

Introdução: Ahhh… Sonic 2… como não olhar para esse jogo de uma forma que não seja nostalgica e puramente lúdica? Como falar de uma forma tão técnica e sisuda sobre o jogo mais importante da minha vida? (Sim! Mais importante que SMW ou qualquer jogo da Nintendo que você possa mencionar) Prefiro apenas pensar na sensação de honra que é analisar o jogo onde tudo começou para mim. Continuar a ler

Super FOG Vs. Sonic The Hedgehog

Disclaimer: Eu disse que esse primeiro review viria no domingo, mas rolou um misto de preguiça, distrações, trabalho e procrastinagem. Desculpe por isso.

Introdução: O ano é 1991, um ano em que a Nintendo já estava para consolidar um monopólio no mercado de consoles de video game, o SNES lançou e foi rapidamente conquistando corações, e quem iria parar esse avanço da Big N e do seu encanador que pula em tartarugas? Eis que uma tal SEGA resolveu aceitar o desafio usando para isso o seu sutilmente mais velho Mega Drive, um console que na época sofria para se tornar popular. Foi quando o trio de colaboradores: O designer Naoto Oshima, o programador Yuji Naka e o planejador Hirokazu Yasuhara, se reuniram para criar o jogo que bateria de frente com aquele encanador que salva princesas.
Continuar a ler

Super FOG vs. Super Mario Maker

Introdução: Este é um review bem atrasado, quem se lembra que há um tempo atrás eu fiz uma maratona de reviews de jogos clássicos do Mario em celebração do seu 30º aniversário também se lembra que eu tinha prometido um review desse jogo logo em seguida. Mas como eu já expliquei antes, eu não faço review de jogos que eu não tenho, raciocínio simples, não vou avaliar algo me baseando em coisas do tipo vídeos do YouTube. Agora chega de mimimi e vamos para a análise.

Mario convive conosco há 30 anos (31 no mês que vem), nascido em uma época em que tudo era trevas para o consumidor de consoles, ele fez o seu caminho através de canos, cogumelos e inúmeras plataformas até se tornar um dos personagens mais populares do mundo. Só que para o trigésimo aniversário, a Nintendo decidiu que os jogadores iriam desenvolver a próxima aventura de Mario através de Super Mario Maker, um jogo apresentado de forma tímida e superficial na E3 2014 com uma premissa simplória e sem apelo nenhum. Com o passar do tempo, mais e mais do jogo foi sendo mostrado, como as possibilidades e opções adicionadas desde aquela demonstração, e na Nintendo World Championships 2015 a versão e o nome finais apareceram para demonstrar seu máximo potencial, tanto que posteriormente a Nintendo deu atenção máxima à esse título entre o lançamento de Splatoon e Xenoblade Chronicles X. Continuar a ler